quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Ronco da Abelha



A lei de 18 de junho de 1851, de registros de nascimentos e Óbitos, obrigava a todos os brasileiros a registrarem os seus filhos em cartório. Todos os óbitos seriam também registrados naquela Repartição.

Logo que se teve ciência da Lei, na Paraíba, observaram-se revoltas nas cidades de Ingá, Alagoa Grande, Guarabira, Areia, Araruna, Fagundes e Campina Grande.

A multidão aglomerou-se nos Cartórios, exigindo os Livros de Registros. Dizia que queria mostrar ao vigário para que investigasse se, naqueles Livros, estava o papel da escravidão... Como o tabelião não entregasse os Livros, os prédios eram arrombados e a polícia dominada pelo povo enfurecido.

As autoridades entraram em contato com o povo tentando acalmá-lo. O Presidente da Província agiu com serenidade, garantindo ao povo que a Lei seria posta em vigor mais adiante. De fato, somente em 1889 foi que a discutida lei entrou em vigor.


Um comentário:

Anônimo disse...

570este pequeno resumo e suficiente ou e so pra ter uma ideia