sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Os índios da Paraíba

1 – Populações indígenas

Antes da chegada dos portugueses aqui na América e a conseqüente ocupação do território brasileiro, a Paraíba já era habitada por grupos indígenas que ocuparam primeiramente o litoral; pertenciam a grande tribo Cariri e vieram provavelmente da região amazônica.

Devido à sua agressividade, foram chamados de tapuias por outros nativos, o que significa inimigos. Por volta de 1500 chegaram novas famílias indígenas, pertencentes à Nação Tupi-Guarani: eram os Potiguaras, emigrados do litoral maranhense e que se situaram na parte norte do litoral paraibano, desde as proximidades da Baía da Traição até os contrafortes da Borborema, de onde moveram guerra aos Cariris; o resultado foi o deslocamento destes últimos, para as regiões sertanejas.

Na época da conquista da Paraíba – segunda metade do século XVI – chegaram outros silvícolas, dessa vez pertencentes à tribo Tabajara, também de origem Tupi-Guarani, mas logo tornaram-se inimigos tradicionais dos Potiguaras, fixando-se na várzea do rio Paraíba.

Na segunda metade do século XVII, a maior parte da população ainda era constituída de índios.

O nível de civilização do índio paraibano era considerável. Muitos sabiam ler e conheciam ofícios como a carpintaria. Esses índios tratavam bem os jesuítas e os missionários que lhes davam atenção.

A maioria dos índios estava de passagem do Período Paleolítico para o Neolítico. A língua falada por eles era o tupi-guarani, utilizado também pelos colonos na comunicação com os índios. O tupi-guarani mereceu até a criação de uma gramática elaborada pelo Padre José de Anchieta.

2 – Os Cariris

Os índios Cariris se encontravam em maior número que os Tupis e ocupavam uma área que se estendia desde o planalto da Borborema até os limites do Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Os Cariris eram índios que diziam ter vindo de um grande lago. Estudiosos acreditam que eles tenham vindo do amazonas ou da Lagoa Maracaibo, na Venezuela.

A Nação Cariri dividia-se em várias tribos das quais citaremos apenas as que existiam em território paraibano e proximidades. Esses grupos na Paraíba eram os seguintes: Paiacus, Icós, Sucurus, Ariús, Panatis, Canindés, Pegas, Janduis, Bultrins e Carnoiós. Destes, os Tapuias Pegas ficaram conhecidos nas lutas contra os bandeirantes.

3 – Os Tupis

Os Tupis habitavam a zona mais próxima ao litoral e estavam divididos em Potiguaras e Tabajaras.

a) Tabajaras: Na época da fundação da Paraíba, os Tabajaras formavam um grupo de aproximadamente cinco mil pessoas. O seu nome indicava que viviam em tabas ou aldeias. Eram sedentários e de fácil convívio. A aliança que firmaram com os portugueses foi de grande proveito para os índios quando da conquista da Paraíba e fundação de João Pessoa.

Todos os aldeamentos ao sul do Cabo Branco pertenciam a indígenas dessa tribo e deram origem a muitas cidades e vilas, como, Aratagui (Alhandra), Jacoca (Conde), Piragibe (João Pessoa), Tibiri (Santa Rita), Pindaúna (Gramame), Taquara, Acaú, Pitimbu. Os Tabajaras parecem ter deixado o território paraibano em 1599.

b) Potiguaras: Eram mais numerosos que os Tabajaras e ocupavam uma pequena região nos limites do Rio Grande do Norte com a Paraíba. Estavam localizados na parte norte do rio Paraíba, curso do rio Mamanguape e serra da Copaoba, foram rechaçados para o Rio Grande do Norte e aldeiamentos na Bahia de Traição, onde ainda hoje se encontram seus remanescentes.

Esses índios locomoviam-se constantemente, deixando aldeias para trás e formando outra. Com esta constante locomoção os índios ocuparam áreas desabitadas. Da serra da Copaoba, para o Sul, excetuando-se as aldeias estabelecidas no litoral, ao que parece, em nenhum ponto se fixaram. Toda a região do Agreste Acatingado que se estende de Guarabira a Pedras de Fogo, passando por Alagoa Grande, Alagonha, Mulungu, Sapé, Gurinhém, desocupada, no dizer de Horácio de Almeida ou assim foi encontrada quando da conquista.

Os Potiguaras eram uma das tribos mais populosas da nação Tupi, desempenharam importante papel na guerra holandesa com cujos povos se aliaram. Anos antes eles também foram aliados dos franceses, que mantinham feitorias no estuário do Paraíba e Baía da Traição (Acejutibiró) e de onde faziam incursões até a serra da Copaoba (Serra da Raiz) para a extração do pau-brasil. Esses índios resistiram feroz e bravamente, desde o início da conquista portuguesa.

Ainda hoje, encontram-se tribos indígenas potiguaras localizadas na Baía da Traição, mas apenas em uma aldeia a São Francisco, onde não há miscigenados, pois a tribo não aceita a presença de caboclos, termo que eles utilizavam para com as pessoas que não pertencem a tribo.

Atualmente, as aldeias constituem reservas indígenas mal administradas pelo governo, e suas terras, quase todas, foram griladas por grandes proprietários e usinas da região, mencionando-se a Companhia de Tecidos Rio Tinto, hoje desativada.

A principal atividade desses índios é a pesca e em menor escala, a agricultura.

66 comentários:

Matheus disse...

muito bom em mais ver se melhora mais isso ta uma lixo

eloysa disse...

se aprofundarem mais no assunto,
sera melhor para podermos saber mais sobre nossos indios da PB;e ESTUDARMOS SOBRE ELES...

Kleber Brito disse...

Professor, continue firme no seu trabalho. Está ótimo, e claro que sempre devemos melhorá-lo, mas é importante isso que o sr vem empreendendo, divulgando via blog a História da Paraíba. Receba críticas que pelo menos sejam escritas de modo inteligivel. No mais, parabéns!

Lila disse...

Fico feliz quando vejo alguém falando sobre a nossa História. É raro encontrarmos informações claras para trabalhar com crianças, como é o meu caso. Essas informações aqui postadas me ajudaram bastante. Parabéns professor! Continue aprimorando seu trabalho e expondo para que outras pessoas tenham oportunidade de conhecê-lo.
Um abraço, Lila

jamerson lucena disse...

Professor, devo-lhe dizer que é muito interessante o seu artigo.
Bom saber que existem ainda pessoas como você que se interesso por esse universo tão fantástico e tão esquecido.
Parabéns.

Anônimo disse...

Cara gostei muito dessa divugasao meus parabes.
São pessoas como voce que faz adiferensa no nosso brasil e nordeste onde o povo não se aprofunda na sua propira historia do passa.

Anônimo disse...

Professor, parabéns pela sua iniciativa, mas queria dizer para os seus comentaristas para melhorar a escrita.....pelo amor de Deus vamos escrever o português correto.

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Prof, parabéns pela matéria. Ela nos ajudou e muito na pesquisa q estamos fazendo.Prq no municipio de Emas-PB existe algumas pedras c pinturas rupestres e só agora c a ajuda do arqueólogo Dr. Juvandi é q ficamos sabendo q são pinturas feitas p Tarairiús. Então, estamos numa busaca constante p informações sobre a vida desses povos. Se o sr tiver como nos ajudar nessas pesquisas ficaremos muito gratos p ajuda.

Clayton Rêgo Mendes disse...

Legal brother... Sou carioca,mas meu avô era filho ilegítimo do fazendeiro dos arredores de Itatuba, a saber José Alves de Araújo Rêgo com uma índia chamada Maria José dos Prazeres, que não sabemos que fim levou...Estou tentando montar a minha árvore genealógica e entrei no seu blog. Parabéns

claytonteologo@bol.com.br

Thiago Moreira disse...

Achei que ficou bom o texto, no entanto, senti falta de alguns mapas para situar melhor o leitor. Sobretudo para leitores que não conhecem bem o estado, ou não são do estado.

~ Guiinho disse...

Cara me ajudou muito, obrigado professor.

iara disse...

vlw m ajudou num trabalho do colégio!

jaires justino de sousa disse...

professor Josias, não podia ter sido mais claro! com simplicidade categórica disse tudo da melhor forma possível. obrigado!

pedro disse...

Parabéns, muito bom.

Anônimo disse...

O primeiro a comentar é analfabeto gostei do resumo,

marcia disse...

bom, sou de São José de Piranhas-PB; é você está de parabéns pelo blog. Estou comentando para dizer que esse blog me ajudou muito a saber mais um pouco sobre a história de nosso estado.
espero que continue postado mais sobre a nossa história, pois está ficando esquecida.

Anônimo disse...

ta bom, mas pode melhorar!

Anônimo disse...

meu nome é Severino:
foi no ano de 1968 que sai de Bayeux, para baia da traiçao.
com várias pessoas adultas em busca de curas paras muitas doenças
destas pessoas, como naquele tempo
à cura vinha mais das plantas e os indios eram experiente nesta área,
muitos foram curados com banhos e raizes pisadas em um manipilão.
hoje escrevo sobre as tribos pontigua. adorei:

Anônimo disse...

Legal!

Anônimo disse...

muiiiiiiiiiiiiitoooooooooooo legal ,eu adoooooooooreeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiii vc e d+

ana cristina disse...

gostei bastante da sua postagem vc e d+ meus sinceros parabens

Flavia disse...

Professor Josias, estou fazendo uma pesquisa sobre o padre espanhol, da Companhia de jesus,Juan de Azpilcueta (João Navarro) e gostaria de saber se o senhor tem algum dado sobre a participação dele na conquista e formação do estado da Paraíba.
Obrigada pela Atenção. Flávia

Flavia disse...

Professor Josias, estou fazendo uma pesquisa sobre o padre espanhol, da Companhia de jesus,Juan de Azpilcueta (João Navarro) e gostaria de saber se o senhor tem algum dado sobre a participação dele na conquista e formação do estado da Paraíba.
Obrigada pela Atenção. Flávia

Anônimo disse...

Professor vocÊ fez um ótimo trabalho que ajudou minha irmanzinha de apenas 8 anos a fazer uum trabalho da escola.
Parabéns pelo seu trabalho um forte abraço.

Anônimo disse...

Professor Josias obrigada pelo ótimo trabalho, este me deu suporte para ajudar a fazer Tarefa de Casa do meu primo de apenas 6 anos.
Ele leu algumas postagens e falei que poderia faz o mesmo (postar) então ele pediu para agradecer:
“Professor adorei seu trabalho, e continue ajudando as pessoas” João Abdon

SILENE disse...

PROFESSOR,ADOREI O CONTEUDO.
ME RESPONDA: JA EXISTIU ALGUMA TRIBO CHAMADA"CABLOCO", NA PARAIBA?

JM disse...

Estou levantando informações sobre o ramo paraibano da milha família e tenho os sobrenomes SOUZA e GOMES na minha ascendência. Gostaria de saber se houve miscigenação destas famílias com tribos indigenas locais, pois meu avô era filho de pai moreno (SOUZA) e de mãe loira de olhos azuis (GOMES). Setiverem mais informações,por favor escrevam para manzione71@gmail.com

especiais disse...

wildemara disse: muito bom
gostei , bastante detalhado.

especiais disse...

muito bom gostei
bastante detalhado.

especiais disse...

muito bom gostei
bastante detalhado.

A.M.F. disse...

Está legal, mas eu acho que ainda faltam mais informações para enriquecer o seu texto ainda mais.

Anônimo disse...

Muito bom o texto.. Vou fazer a prova para entrar no IFPB esse ano e um dos assuntos a ser estudado é: "Os povos indígenas na Paraíba" e seu texto me ajudou muito. É claro, que é sempre bom melhorar o texto, mas de qualquer forma, meus parabéns!

Diego disse...

VSF Q LIXO PROFESSOR TA COM O DEDO NO CU EH?

Anônimo disse...

Meu nome é Edjane ,moro em Araruna na Paraiba,gostária de dizer ,que gostei muito do texto,se algúem criticar ,critique com inteligência,mostrando sugestões para melhoramento do texto,já que é tão sábio ,seja construtivo e não destrutivo,faça um melhor se tiver capacidade,pelo menos esse fez e vc fez o que para ajudar os outros,desfazendo-se do que os outros fazem te faz sentir melhor?

Anônimo disse...

Adooorei. Quem quiser sigam-me no twitter: @eryka_guimaraez. Beijoss

Voz no Deserto disse...

prof a confederação dos cariris aconteceu na paraíba?

Anônimo disse...

Parabéns,este texto está me ajudando muito para a prova do IFPB.

katia disse...

Meus parabéns,adorei a matéria e a iniciativa.Me interesso pelo assunto, pois, não conhecí minha avó materna mas pelo que minha família relata ela era índia e casou com meu avô na década de 30,tanto eu como minha mãe biológica e meu filho temos traços indígenas muito fortes.Tenho muita curiosidade de saber de meus antepassados e de minha história.Pena que meu avô faleceu e não me explicou direito minha árvore genealógica,só sei que ele nasceu em cabaçeiras em 1915 e uniu-se a uma índia no sertão da Paraíba.Obrigada professor!

Anônimo disse...

prf:continue com o seu trabalho que é glorioso e não dê credito criticas destrutivas pois só aqueles q não sabe o valor da história, perde tempo escrevendo besteira.Sou descendente de indigenas e amo estória. parabéns!

Ramsés Xavier disse...

Parabéns, professor. Também ensino História em escolas de Pernambuco e não vejo disposição em estudar nossos índios, como noto em seu trabalho. Parabéns, mesmo. Abraço. Ramsés Xavier. ramses.xavier@ig.com.br facebook ramsés xavier

Anônimo disse...

Sou do municipio de pedras de fogo- pb e essa materia mim ajudou bastante no meu trabalho da escola,acho q vou tirar 10. kkk OBG Professor!!

Anônimo disse...

mtu bom prfessor! pena que tem pessoa s que além de serem leigos no assunto no lugar de fazer comentários construtivos, usam expressões chulas pra tentar inibir a beleza do conteúdo, pena que essas pessoas só sabem criticar, mas não sabem fazer nada que ajude a melhorar! pra essas pessoas que não gostaram das informações do artigo, eu pergunto, se sabem tanto pra que visitar estes sites de informações??? num são tão sábios??

Walter disse...

PREZADO PROFESSOR jOSIAS, LÍ TODO O CONTEÚDO DO TEXTO, E GOSTARIA DE REGISTRAR AQUÍ, MEUS SINCÉROS PARABÉNS, VISTO QUE, NÃO APENAS O PARAÍBANO, MAS TAMBÉM OS BRASILEIROS DE MODO GERAL, TEM POR OBRIGAÇÃO, CONHECER MAIS SÔBRE À HISTORIA DO BRASIL, TÃO RICA EM ACONTECIMENTOS. PORTANTO, A QUESTÃO INDIGENA NÃO PODERIA FICAR DE FÓRA, POIS QUE FAZ PARTE DECISIVA NA FIXAÇÕES DAS CIDADES E POVOS QUE INTEGRAM NOSSA PÁTRIA.

Sarah Monteiro disse...

Meus parabéns pelo seu trabalho, e obrigado, pois essa matéria me ajudou muito em alguns exames escolares.

Sarah Monteiro disse...

Meus parabéns por esse trabalho, a matéria me ajudou muito em alguns exames excolares.

Douglas dos santos gomes disse...

esse assunto sobre "Os índios da Paraíba" vai me ajudar bastante na prova que vou fazer, obrigado!!!!!!!!!!

heudes disse...

e muito massa


Anônimo disse...

Esse assunto muito me interessa, pois a família do meu pai tem descendência indígena e, eu sempre tive curiosidade de saber de onde vieram minhas raízes.Porém não tenho contato com essa parte da minha família, nem cheguei a conhecer meus avós =(

Anônimo disse...

Esse assunto eh muito interessante para mim, minha familia eh da regiao de sousa, e gostaria de saber qual a tribo da regiao, pois minha familia tem sague indigino, mas por ignorancia na epoca nao se passou a historia para os decendentes, somente o lado europeu, eu gostaria muito de descobrir as minhas origens

Maria Clara rebelde disse...

gosto quando algem relembra da nossa historia♥♥♥

luizdeararuama disse...

ENTREI NESTE BLOGGER, PORQUE ESTOU A PROCURA DE SABER MAIS SOBRE OS INDIOS QUE OCUPAVAM O MUNICIPIO DE SAPE-PARAIBA ONDE MINHA MÃE FOI REGISTRADA. MINHA BISAVÓ ERA INDIA E GOSTARIA DE SABER COMO CONSIGO PROVAR A MINHA DESCENDENCIA. JA QUE NAQUELA EPOCA NÃO SEI NEM SE HAVIA REGISTRO 1925. SE PUDER ME AJUDAR AGRADEÇO. EMAIL CLEIANERIBEIRO2008@HOTMAIL.COM

Anônimo disse...

OTIMOOOOOOOOOO TEXXXXXXXXXXTO! AMEI!VAI ME AJUDAR MT NA PROVA DO IFPB.. 2014! OBGGGGGGG =))

Erika alves disse...

ameiii parabens mesmo , vai me ajuda na prova do ifpb :)))

Anônimo disse...

tenho certeza que esse assunto ajudará-me muito na prova do IFPb. parabéns professor pelo seu trabalho. Felipe/ Barra de Sta Rosa-PB

Anônimo disse...

Isso é um lixo/ Bruno balcubaco

Anônimo disse...

boa lek

Anônimo disse...

geral que vai fazer o ifpb aconselho
pelo menos dar uma lida nesse texto

Anônimo disse...

So, I will be well prepared to make the proof of IFPB. Thank you!

Rayane Estrela disse...

Muito bom , estava precisando pra a prova do IFPB , obrigada :)

Diogo Francisco disse...

Professor, eu gostaria um auxilio do senhor, a minha vô sempre me falou que era da tribo indígena da Pedra d'agua, no município de Taperuá - Pb antigamente chamada de Batalhão; a certidão de óbito da mãe não esta como indígena e nunca elas tiveram o interesse, ou ate mesmo não tiveram acesso a tirar o RANI; para que a nossa família não perca totalmente as nossas origens eu gostaria de retirar o meu RANI, o senhor poderia me dar informações de quais tribos existi na localidade e como consigo retirar o RANI; ela sempre falava que era Kariri com K mesmo, existe esta tribo na Paraíba, ela falava que tinha vindo para o vale do São Francisco, pq tinha casado com meu avo e que a mãe dela foi pega na época por cachorro ainda criança???
Gostaria de qualquer noticia que me faça conseguir o RANI.
Nome de minha vô é Francisca Alves Pinto, nascida em 29/12/1918.
Desde já agradeço toda a atenção prestada a minha pessoa.
Atenciosamente,

Diogo Carvalho
Assis. Social
diogofpc@hotmail.com

Anônimo disse...

muito bom este texto...eu estava precisando muito destas informações para um trabalho da escola.

Hercilia Maria Conti disse...

Por curiosidade, abri este blog e li seu trabalho,professor. Achei muito interessante. Só não gostei de algumas postagens chulas, outras fazendo críticas ininteligíveis. Um abraço, Hercilia.

Anônimo disse...

Marroi eu sou o silvio santos

Anônimo disse...

VCS SAO GAYS

Anônimo disse...

KKJKJKJKJJJJJJJJKJKKJJJJJJJJKJJJJJJJKJJJJJJJJKJJJJJKKKKKKKKKKKKKKKKJJKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK vcs sao gays conserteza